Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

La Vie en Chérie

Para os apaixonados por moda, cinema, livros e por uma vida doce e divertida

La Vie en Chérie

Para os apaixonados por moda, cinema, livros e por uma vida doce e divertida

Noticiário Chérie #1 Uma Mulher num Mundo de Homens

Esta semana foi marcada por um vasto conjunto de notícias que assolaram o país e o mundo. No entanto, houve uma em especial que chamou a minha atenção, quer pelos dados que fornecia, quer pelo tema.

O assunto já veio à baila por várias vezes e em vários contextos, mas desta vez vem mesmo a propósito, uma vez que se aproxima o Dia Internacional da Mulher (Domingo dia 8, para os mais esquecidos). O Jornal Público aborda um alerta da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que afirma que serão necessários setenta anos, sim setenta, para que mulheres e homens atinjam uma equivalência salarial. Assinalando o vigésimo aniversário da Declaração de Pequim, onde ficaram estabelecidos os direitos das mulheres, a OIT avisa que “as mulheres continuam a ser confrontadas com situações de discriminação e desigualdade no trabalho”.

Consta neste alerta que as mulheres ganham, em média, 77% do auferido pelos homens. Será verdade? Obviamente não poderemos generalizar, pois existem muitas mulheres que têm remunerações elevadíssimas. Mas serão estes dados reais? Se sim, qual a justificação da diferença? O sexo feminino não trabalha menos, pelo contrário, muitas são as mulheres, senão a maioria, que sai do trabalho e cuida da vida doméstica (26h por semana, segundo as estatísticas). Então se não é uma menor quantidade de trabalho que justifica os -23%, o que é?

Confesso que fiquei indignada, não numa lógica feminista, não é isso que quero passar. Mas o sexo feminino já é tanta vez discriminado por poder engravidar e consequentemente usufruir da licença de maternidade, porquê acentuar ainda mais a diferença? Foram necessários muitos anos para atingir a igualdade que temos hoje, ou melhor, segundo este alerta do OIT, a ilusão de igualdade, pelo menos no campo laboral.

 

Em muitos países europeus, por exemplo, ter um filho tem um efeito reduzido, mas as mulheres que têm dois filhos e, especialmente, as que têm três são fortemente penalizadas em termos salariais, exemplifica a OIT.

 

No entanto, nem tudo é tão negro, e a instituição ressalva que no que respeita à protecção na maternidade, houve melhorias, apesar de ainda existirem 800 milhões de trabalhadoras no mundo que não têm uma correcta licença de maternidade. De ressalvar que há cada vez mais homens a assumir licenças de paternidade mas, segundo os dados, as mulheres continuam a ser as responsáveis pela maior parte dos cuidados familiares, o que limita aqui um pouco a questão da remuneração.

Em Portugal, esta semana o Governo anunciou que irá iniciar negociações com as empresas cotadas da bolsa para que estas incluam um mínimo de 30% de colaboradoras femininas nos conselhos de administração até 2018. Sabe-se também que, no nosso país, as mulheres recebem em média menos 13% que os homens que desempenham as mesmas funções.

Não me queria alongar muito e se calhar já escrevi demais. Mas, tal como a OIT, estou chocada que após vinte anos da Declaração de Pequim ainda tenhamos um caminho tão longo e tortuoso a percorrer, que só será atingido em 2086.

 

E vocês? Ficaram impressionados com a notícia?

2 comentários

  • Imagem de perfil

    La Vie en Chérie 07.03.2015 14:40

    Possivelmente não me fiz compreender bem... Feminismo é, sim, todo o movimento político e social que pretenda a equidade de direitos entre homens e mulheres. Não poderia estar mais de acordo, no entanto, actualmente vivemos numa sociedade extremista, em todos os aspectos, e era essa a mensagem que eu não queria passar, que "mulheres ao poder, siga para bingo, que o mundo agora vai ser perfeito". Sou completamente a favor da igualdade de direitos e oportunidades, e venero todas as pessoas que por isso lutaram, mas penso que não podemos assumir e pretender uma igualdade de géneros que são logo, à partida, fisiologicamente diferentes.
    O propósito deste texto foi mostrar a minha indignação e choque perante a "importância" que teve a declaração de Pequim e pessoas como a Sra. Pankhurst. A questão que queria aqui trazer não era o que ainda tem que ser feito, mas sim mostrar de que valeu aquilo que já foi feito...
    Obrigada pelo elogio, é bom saber que gostaste do texto, confesso que a notícia chamou a minha atenção. Se voltar a escrever sobre o tema terei em consideração o que me disseste, obrigada :)
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.